Dina Frutuoso fala do encontro para a 3ª Idade feito dia 18, no Rio de Janeiro

A psicóloga, Dina Frutuoso, o Juiz Federal, Vladimir Vitovsky e a assistente social, da prefeitura do Rio de Janeiro, Ludmila Roque. Foto: divulgação.
A psicóloga, Dina Frutuoso, o Juiz Federal, Vladimir Vitovsky e a assistente social, da prefeitura do Rio de Janeiro, Ludmila Roque. Foto: divulgação.
Dina Frutuoso, especial para o Jornal da 3ª Idade

Um Dia ela Chega! Reflexões sobre a 3ªIdade foi tema bem-humorado do evento realizado, na terça-feira, dia 18 de julho, no Centro Cultural da Justiça Federal-CCJF- Cinelândia, na cidade do Rio de Janeiro.

Coordenado pelo Juiz Federal, Vladimir Vitovsky, o encontro teve como objetivo apresentar especialistas que estão discutindo as questões do envelhecimento, aprofundar o debate sobre a temática e diminuir preconceitos.

O próprio Juiz Vladimir Vitovsky discorreu sobre Leis e diferentes tipos de benefícios legais afetos às pessoas idosas. Ele convidou a Assistente Social da prefeitura do Rio de Janeiro, Ludmila Roque para apresentar a Casa de Convivência que coordena na Gávea, bairro próximo da PUC/RJ. Eu fui convidada como psicóloga clínica, diretora da ABRAPA- Associação Brasileira de Psicologia Aplicada e membro efetivo do Fórum PNEI-RJ para falar sobre Saúde Mental e Qualidade de Vida na 3ª Idade.

 Na minha apresentação expus um breve relato do Encontro no Paraguai MADRID +15 – Envelhecimento na América Latina e Caribe onde fui apresentar um trabalho e como representante da sociedade civil, junto com outros 34 brasileiros. Comecei minha fala com alguns exercícios possíveis de serem realizados no dia a dia de cada participante. Eles estão no meu livro A Idade do Saber, editora Leo Christiano, de 2003.

Terminamos com uma gargalhada coletiva e o ditado ” o riso é contagioso.

Falamos de Saude Mental que “é o equilíbrio emocional entre o patrimônio interno e as exigências ou vivências externas. É a capacidade de administrar a própria vida e as suas emoções dentro de um amplo espectro de variações”(SPP/DVSAM)

Por seu lado Qualidade de Vida pode ser entendida como a capacidade de aprender a desenvolver respostas para atualizar seu potencial e minimizar sofrimentos ao longo da vida, levando em consideração suas possibilidades e limitações.

Discorremos sobre papeis sociais, segundo a abordagem da Analise Transacional, utilizando o triangulo de Karpman (Perseguidor/Salvador ou Vitima rebelde – submissa). Na sequência abordamos o ciclo vital e a possibilidade de morte a qualquer momento da escala da Vida (o que sempre causa burburinho e alteração na plateia).

A temática da autoestima, do tempo/espaço do “aqui e agora’; da memória; da inteligência emocional; da resiliência, terminando com a importância do bom humor e da jovialidade como atitudes a serem aprendidas e usadas para atingir a Qualidade de Vida. Usei e abusei da frase ” O humor afasta o Doutor” que escutei de vários centenários que entrevistei para meu livro 100TENARIOS, da editora ZMF.

Terminamos os debates com o compromisso da responsabilidade de cada um descobrir COMO fazer para melhorar sua Qualidade de Vida. Sabemos que não há receitas prontas. Também tiramos do encontro a necessidade de pressionar os vereadores para a execução das Políticas Públicas ainda necessárias.

Fechamos com mais um exercício físico de respiração profunda, valorizando o silencio e destacando a importância de qualquer tipo de meditação. Os presentes apreciaram, depois de tanta “falação”!

Dina Frutuoso é Profa. Dra da UFRJ-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Diretora da ABRAPA, Assessora Psicológica da Comissão de Defesa da Criança e Adolescente da OAB Barra da Tijuca, Membro efetivo do Fórum PNEI-RJ e Delegada Eleita para o 9º Encontro Nacional de Fóruns Permanentes de Defesa da Pessoa Idosa a ser realizado em novembro 2017 em Salvador/Bahia, autora e conferencista.