1º Encontro ABCDM do Fórum Paulista do Envelhecimento foi em Diadema

O primeiro encontro descentralizado do Fórum Paulista da Sociedade Civil de Conscientização do Envelhecimento aconteceu na manhã da última sexta-feira, dia 4 de agosto de 2017, na cidade de Diadema, na Grande São Paulo, nas dependências do Instituto de Ação Social Enéas Tognini.

Organizado para apresentar as propostas do Fórum Paulista para as cidades do ABCDM, o encontro contou a presença de cerca de 60 pessoas, entre elas, idosos do Centro de Convivência do próprio Instituto de Ação Social Enéas Tognini, usuários de Centros de Convivência da Prefeitura de Diadema, gestores de ILPIs da região, estudantes de serviço social da Faculdade Anhanguera do ABC, membros do CMI- Conselho Municipal do Idoso da cidade de Diadema, membros do CMI de Santo André e sua presidente Rosineia Aparecida Silva, a presidente do CMI da cidade de Mauá, e o Secretário de Políticas Públicas para Pessoa Idosa de Mauá, Deusdenir de Souza.

Parte da equipe de Diadema com membros da Comissão Provisória do Fórum Paulista de Conscientização do Envelhecimento. Foto: jornal3idade.com.br
Parte da equipe de Diadema com membros da Comissão Provisória do Fórum Paulista de Conscientização do Envelhecimento. Foto: jornal3idade.com.br

Nas atividades do 1º Encontro ABCDM, pela manhã, participaram pela Comissão Provisória do Fórum Paulista (que fez uma reunião executiva no período da tarde, no mesmo local, com demais integrantes) a psicóloga, Francisca Martucci; a advogada Rosangela de Paula, a administradora hospitalar, membro-fundadora da ABRAz, Vera Caovilla e a jornalista Herminia Brandão.

Proposta do Fórum Paulista é saudada

A proposta do Fórum Paulista da Sociedade Civil de Conscientização do Envelhecimento de criar um espaço colegiado, com uma coordenação por períodos, de forma “horizontal” com todas as representações com o mesmo “peso”, foi muito bem recebida pelos participantes do 1º Encontro ABCDM.

Foi explicado que o Fórum Paulista quer promover uma troca de informações sobre o que vem sendo feito de forma exitosa nos municípios do nosso Estado, alencar as principais dificuldades e criar mecanismos de ajuda mútua.

Ficou também explicitado que o Fórum Paulista não está vinculado a nenhum partido político, nem a nenhuma personalidade em especial e por isso nasce com autoridade para debater as necessidades dos idosos e cobrar das autoridades competentes, a efetivação de leis e regulamentações já existentes, que ainda não foram efetivadas.

Primeiras parcerias

Francisca Martucci da Comissão Provisória do Fórum Paulista de Conscientização do Envelhecimento. Foto: jornal3idade.com.br
Francisca Martucci da Comissão Provisória do Fórum Paulista de Conscientização do Envelhecimento. Foto: jornal3idade.com.br

Todos os participantes tiveram direito de pegar o microfone e fazer suas colocações, o que pretende ser uma marca das reuniões do Fórum Paulista.

Santo André- Patrícia Helena Moretti, do Conselho Municipal da Pessoa Idosa de Santo André, colocou que receberam recursos do Fundo Municipal do Idoso e por isso estão trabalhando em novos projetos do CRIS- Centro de Referência do Idoso, que passa a ser um papel itinerante, de ir até a comunidade, favorecendo o idoso que não tem condições de locomoção. A cidade também está trabalhando na criação de 9 novos Centros de Convivência, com o Centro Dia da Pessoa Idosa, a Casa Mais Vida, a Casa do Caminho Ananias e Nosso Lar. Comentou também sobre a representação dos 20 grupos de convivência que atuam pela cidade com bastante participação e que atendendo a uma proposta da Conferencia Municipal do Idoso de Santo André de 2015, estão trabalhando na ampliação da a participação de representantes desses grupos no Conselho, sem a obrigatoriedade do CNPJ, mas através da apresentação de relatórios.

A presidente do CMPI de Santo André, Rosineia Aparecida Silva falou sobre a necessidade desta estruturação que passa o trabalho com idoso na cidade, para ampliar o trabalho de inclusão social e resgate das famílias.

Mauá – A presidente do CMI de Mauá- Maria Damiana da S. Santos fez um relato da situação difícil que passa a entidade, diante de muitos problemas que estão sendo vividos pelo município. Segundo ela, o CMI tem encontrado dificuldades porque até mesmo para eleição de pessoas representando a sociedade civil não encontram pessoas dispostas a tal. O conselho é paritário com 12 membros: 6 da sociedade civil e 6 do poder público. Os grupos de idosos existentes são antigos, pequenos, sem que novas pessoas surjam. O Fundo Municipal do Idoso ainda não foi regulamentado. Só tem duas instituições ligadas ao Conselho e as demais não se manifestam. A Prefeitura criou uma Secretaria para a Política Pública do Idoso e Damiana acredita que isso vai ajudar a melhorar a situação.

O Secretario da nova pasta voltada para os idosos na cidade de Mauá, Deusdenir de Souza se mostrou aberto para a troca de informações e solicitou a colaboração do Fórum Paulista na reorganização do trabalho com os idosos na sua cidade.

DiademaA cidade que foi pioneira em várias ações em relações aos idosos, sendo o seu Centro de Convivência da Melhor Idade, aberto em 1996, tendo servido de modelo na época em que estava sendo criada a Política Nacional do Idoso. A assistente social, Vanda Marques sua primeira coordenadora e ex-presidente do CMI, esteve presente prestigiando o encontro.

Tiago Ordonez, que é o atual coordenador do CCMI- Centro de Convivência Municipal do Idoso e presidente da ABG  – Associação Brasileira de Gerontologia, relatou que a cidade tem 40.000 idosos e as políticas públicas vem sendo trabalhadas diretamente através dos quatro Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) e 20 núcleos (alocados em equipamentos da saúde, assistência social, cultura, educação e comunidade) de atendimento à pessoa idosa no municipio. Que esse trabalho tem conseguido avanços e citou um evento organizado no Dia dos Avós, quando se trabalhou o respeito entre as gerações, por meio de uma intervenção intergeracional (com contação de histórias, filme, dança, desfile e música) com duração de três dias.

Sonia Feitosa que representa o governo municipal, no CMI de Diadema, falou da importância da presença dos munícipes idosos, porque os trabalhos são construídos em prol deles mesmos.

Milton dos Santos, representando o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) de Diadema falou do trabalho que desenvolvem e que tem como objetivo a luta contra a violência aos idosos e o fortalecendo a família. Explicou que na ausência de uma resolução junto a família, o CREAS passa a pensar em retirar o idoso do meio colocá-lo em alguma outra instituição.

Convite a adesão

No encerramento do encontro foi reforçado o convite para que os municípios participem do Fórum Paulista e como já faz Diadema, tenha representantes na Comissão Provisória.

Todos foram convidados para estarem no dia 27 de setembro, na Avenida Paulista, 200, no auditório do Hospital Santa Catarina, no 2º Encontro do Fórum Paulista de Conscientização do Envelhecimento.

Esse 2º Encontro é aberto, grátis, para todos os interessados. É preciso apenas se inscrever pelo formulário

Instituto Enéas Tognini

A psicóloga Érica Prudente, que está representando Diadema, na Comissão Provisória do Fórum Paulista, e Rose Magalhães, ex-presidente do CMI de Diadema, que trabalham no Instituto Enéas Tognini falaram do trabalho que desenvolvem na instituição.

O Instituto possui uma equipe técnica multidisciplinar que atuam nos serviços de convivência e fortalecimento de vínculos e com serviços de proteção social especial.