Para estudo inglês a atividade física feita por idosos em uma área poluída é nula

Parque em Londres. Foto: Pixabay

Um estudo financiado pela Fundação Britânica do Coração, realizado pelo Imperial College de Londres afirma no seu relatório final que os benefícios para o coração e os pulmões de duas horas de caminhada são logo anulados, caso a atividade física seja feita em uma área poluída.

A reportagem no jornal científico Lancet, no dia 5 de dezembro- que relata as recomendações do estudo – diz que os idosos que participaram da pesquisa e caminharam em parques apresentaram benefícios pulmonares significativos e redução da rigidez das artérias uma hora após o término do exercício. Os demais que fizeram seus exercícios em áreas com trânsito ou muito poluída não obtiveram ganhos suficientes.

Participaram como voluntários 135 idosos, dos quais 40 voluntários saudáveis, 40 participantes com DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) e 39 com cardiopatia isquêmica. Eles fizeram caminhadas de 2 horas, em dias diferentes, em Londres, no extremo ocidental de Oxford Street, onde o tráfego é restrito a ônibus e táxis, a maioria dos quais são alimentados por diesel. A parte sem trânsito foi no Hyde Park.

A conclusão do trabalho aconselha: adultos mais velhos e participantes crônicos pulmonares e cardíacos devem evitar andar em ambientes altamente poluídos, como ruas da cidade com alta densidade de tráfego. O exercício, como a caminhada, deve ser feito em áreas urbanas do espaço verde, longe do tráfego de alta densidade ou em instalações internas com filtração efetiva de ar, se estiver localizada perto de ruas poluídas.