Centenas de cantores no 20º Encontro de Corais da 3ª Idade de Praia Grande SP

20º Encontro de Corais da Terceira Idade de Praia Grande, SP, em 2018. Foto:Secom/PMPG

Um dos mais tradicionais encontros de coralistas de São Paulo completou 20 anos na semana passada e reuniu diversos grupos na cidade de Praia Grande, no Litoral de São Paulo.

O primeiro dia do Encontro de Corais da Terceira Idade levou centenas de vozes ao palco do Teatro Serafin Gonzalez, na quinta-feira (26), com 11 apresentações. Na sexta-feira (27) outros nove grupos emocionaram a plateia com destaque para a estreia do coral Alecrim, do Conviver do Bairro Solemar.

No total foram 19 grupos de cidades da Baixada Santista, com formações variadas: alguns de unidades do Programa Conviver, de Praia Grande e convidados de Santos, Itanhaém e Cubatão. Cada um dos corais apresentou três músicas diferentes e no final todos receberam troféu de participação.

Há 10 anos, a aposentada Lourdes Morgado da Silva, de 93 anos, participa do coral Ouvindo Avós, do Sindicato dos Urbanitários de Santos. Para ela, cantar transmite alegria, faz bem para a mente e também para o coração. “Sempre cantei, desde menina em casa e na escola. Essa é a décima vez que participo do encontro. É muito gostoso esse momento”.

Para a aposentada Eliza Alves da Silva, de 78 anos, o encontro é uma oportunidade de fazer amigos e admirar os colegas. “Isso é muito bom porque valoriza a nossa idade. O cantar é um desabafo. Quem cantas seus males espanta”, disse Eliza, que participa há três décadas do Coral Orfeão do Centro Cultural Português.

20º Encontro de Corais da Terceira Idade de Praia Grande, SP, em 2018. Foto:Secom/PMPG

 Formado por 27 vozes, o Coral Alecrim estreou no Encontro de Corais da Terceira Idade e agradou e arrancou aplausos do público. O grupo foi criado há menos de um ano e se reúne uma vez por semana. “Foi tudo muito lindo. Eles estavam ansiosos por estarem se apresentando, mas deu tudo certo”, destacou a diretora do Conviver do Bairro Solemar, Claudia Mônica de Freitas.

A escolha do nome do coral não foi por acaso e tem uma razão mais que especial. A planta alecrim está associada a alegria e tranquilidade, o que, de certa forma, são características marcantes da apresentação do grupo estreante nesse 20º Encontro em solo praia-grandense.

De acordo com a secretária de Assistência Social de Praia Grande, Gisele Domingues, a música funciona como forma de levar saúde para as pessoas e está especialmente relacionada à convivência. Nas unidades do Programa Conviver, o trabalho musical busca aumentar a interação social e qualidade de vida dos participantes. “É um evento maravilhoso, oportuniza que todos os grupos se confraternizem. A Cidade capricha muito neste evento. Prova disso é que há 20 anos ele atrai tantos participantes”.