Profª Vera Fritz, a nova presidente, fala do Conselho Estadual do Idoso em 2019

Vera Luzia do Nascimento Fritz, a nova presidente do CEI- Conselho Estadual do Idoso de São Paulo, representando a sociedade civil. Foto: jornal3idade.com.br
Vera Luzia do Nascimento Fritz, a nova presidente do CEI- Conselho Estadual do Idoso de São Paulo, representando a sociedade civil. Foto: jornal3idade.com.br

Mostrar para a sociedade que o envelhecimento não é igual para todo mundo e que é preciso trabalhar e ter políticas públicas para os diferentes é a maior desafio para o CEI -Conselho Estadual do Idoso do Estado de São Paulo, na opinião da sua nova presidente, a professora de Educação Física, Vera Luzia do Nascimento Fritz, de 68 anos, que assumiu o cargo na última terça-feira, dia 4 de dezembro.

Ela, que era vice-presidente na gestão passada, conversou com o Jornal da 3a Idade sobre as coisas que aprendeu nessa recente caminhada e como imagina poderá ser o trabalho nessa gestão que irá até 2020.

Jornal da 3a Idade – Qual a importância de assumir a presidência do CEI nesse momento de transição de governo? O que a senhora que foi vice-presidente na gestão passada trás de experiência para esse novo período?

Profª Vera Luzia do Nascimento Fritz É uma responsabilidade muito grande porque é um segmento que ainda tem muito para ser feito. É um segmento que precisa de muita atenção e que precisa estar presente para dizer quais são as suas necessidades. Como idosa  sinto que estar a frente do Conselho Estadual é uma oportunidade de trazer o olhar do idoso para as políticas públicas. Eu aprendi que a gente tem que buscar um acordo entre as pessoas diferentes e também que as leis acontecem, mas a fiscalização tem que ser uma continuidade do trabalho. E a fiscalização é muito importante.

Jornal da 3a Idade – Existe alguma plataforma ou pauta já colocada para 2019? Será um ano de conferências e de adaptações ao estilo do novo governador. O que está sendo pensado?

Profª Vera Luzia do Nascimento Fritz -É um ano de conferências e precisamos pensar bem na Conferência Estadual porque ela é o ponto de partida para o que já foi feito. Nós não podemos pensar que nada foi feito. Nós temos avanços e eles precisam ser consolidados. O programa São Paulo Amigo do Idoso é muito bom e precisamos garantir que ele continue.

Jornal da 3a Idade – O São Paulo Amigo do Idoso foi desenvolvido como um programa de governo, o que falta para ele se transformar realmente num programa do Estado de SP?

Profª Vera Luzia do Nascimento Fritz – O Conselho Estadual já solicitou que o decreto seja transformado em lei e esperamos que isso aconteça já no começo do próximo governo. Esse programa está mudando a maneira dos municípios atenderem os idosos. Aos poucos as cidades vão se transformando.

Jornal da 3a Idade – Há quanto tempo a senhora trabalha com idosos?

Profª Vera Luzia do Nascimento Fritz – Eu comecei  fazendo recuperação com idosos coronarianos no Hospital Dante Pazzanese, há muitos anos, numa experiência na época inédita no Brasil. Eu bem mais jovem, como professora de Educação Física fui trabalhar nessa nova forma de tratamento, que é uma técnica que veio de Israel.

Jornal da 3a Idade – Qual é o maior desafio em relação ao envelhecimento que o Conselho Estadual tem que trabalhar com as cidades paulistas?

Profª Vera Luzia do Nascimento Fritz –  A gente tem que pensar e entender que o envelhecimento não é igual para todo mundo . Nós temos idosos que estão jogando bingo, dançando e nadando e temos idosos com Síndrome de Down, idosos portadores de deficiências. O que nós estamos fazendo principalmente para esses últimos? E os idosos negros que estão morrendo mais cedo, por estarem muito distante de serviços disponíveis para outros. O que estamos fazendo por eles? Temos que trabalhar para no futuro não falar em analfabetismo para os idosos. Nós temos que esclarecer para a sociedade que aquelas pessoas que estão trabalhando com crianças precisam ter estrutura, pois somente uma infância e uma juventude cuidada vão propiciar no futuro idosos saudáveis.