Instituto Paraibano do Envelhecimento o primeiro do tipo na América Latina

A Universidade Federal da Paraíba inaugurou na última sexta-feira, 26 de abril, o Instituto Paraibano do Envelhecimento, um espaço voltado para promoção da saúde de idosos por meio da atenção básica e atividades socioeducativas entre gerações. É o primeiro desse eixo temático na América Latina, no âmbito das universidades públicas.

Idealizado pela pesquisadora Antônia Leda Oliveira Silva, que é coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da UFPB, está localizado no prédio da antiga Prefeitura Universitária, no Campus I, em João Pessoa, com uma ampla estrutura física de 13 salas.

Aprovado em 2015 pelo Conselho Universitário (Consuni) da UFPB  ele será financiado por órgãos de fomento e com parcerias com universidades estrangeiras como as de Málaga (Espanha), Nacional de Luján (Argentina) e Connecticut (Estados Unidos).  Pretende ampliar convênios, a exemplo dos já firmados com as de Pádua (Itália) e de Évora (Portugal).

Professores, estudantes e técnico-administrativos dos Centros de Ensino dos quatro campi da UFPB e do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW) estarão envolvidos com a iniciativa, que unirá ensino, pesquisa e extensão, em parceria com Estado e municípios.

Criado com o intuito de promover a saúde de idosos, por meio da atenção básica e de atividades socioeducativas e intergeracionais gratuitos, oferecerá atendimento médico, fisioterápico, odontológico e de outras especialidades; práticas esportivas e lúdicas; cursos de música, de dança e de idioma e terapias alternativas e complementares.

Graduação e pós em Gerontologia

Na UFPB, encontra-se planejado criação e funcionamento do curso de graduação em Gerontologia, o primeiro das regiões Norte e Nordeste. Atualmente, estão em atividade o Programa de Pós-graduação em Gerontologia, na modalidade Mestrado Profissional, e projetos de especializações na área.

O curso de Mestrado Profissional em Gerontologia teve início em 2016. Até agora, duas turmas foram concluídas, qualificando 49 pesquisadores, nas linhas pesquisa “Envelhecimento e tecnologias inovadoras para o cuidado à pessoa idosa” e “Políticas e práticas na atenção à saúde e envelhecimento”.

Fonte: assessoria/UFPB