Dores de ouvido da 3ª idade no inverno podem demonstrar problemas de audição

Fonoaudiologa Karina A. Forato Sachetto, que trabalha há 22 anos com Cuidados com Audição, na orientação das pessoas com perda auditiva e na orientação quanto ao uso do aparelho auditivo. renovaraud@gmail.com

Com a chegada dos dias mais frios as pessoas mais velhas tendem a reclamar de dor de ouvido, mas acabam achando ser uma questão naturalmente ligada ao inverno e não procuram saber mais.

Todas as pessoas com o passar da idade, principalmente após os 50 anos, vão perdendo naturalmente a sua capacidade de audição, o que não significa que todo mundo deve achar normal quando percebe que está escutando menos. 

Principalmente para quem já chegou na chamada terceira idade, é importante um exame com o profissional de Otorrinolaringologia uma vez por ano, pois assim poderá saber a condição de saúde auditiva. 

A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia garante que as pessoas demoram até sete anos para procurar um especialista após perceberem os problemas de audição e muitas vezes levam mais dois anos para escolher um tratamento. Esse descuido pode levar à surdez definitiva.

 Para saber como as pessoas devem entender melhor o que acontece com audição no processo de envelhecimento, o Jornal da 3ª Idade conversou com a fonoaudióloga Karina A. Forato Sachetto, que trabalha há 22 anos com Cuidados com Audição, na orientação das pessoas com perda auditiva e na orientação quanto ao uso do aparelho auditivo.

Jornal da 3ª Idade – Em que momento da fase de envelhecimento a pessoa deve se preocupar com a perda de audição?

Fono Karina Sachetto – A idade considerada com audição perfeita é em geral por volta dos  25 anos. A partir daí à morte de algumas células auditivas vai aos poucos diminuindo nossa capacidade de ouvir. E isso é um processo para o resto das nossas vidas. Por isso é importante que a pessoa na medida do avançar da idade vá sempre cuidando de pelo menos uma vez por ano procurar uma pessoa profissional de Otorrinolaringologia, que tem a capacidade de diagnosticar doenças no ouvido (oto), no nariz (rino) e na garganta (laringo). O médico fará a solicitação de audiometria e imitanciometria indicará o teste com aparelho auditivo. O fonoaudiólogo será o profissional responsável pela seleção, indicação e acompanhamento da adaptação.

Jornal da 3ª Idade – O que é a presbiacusia que sempre relacionam aos idosos?

Fono Karina Sachetto – É exatamente o processo provocado pelo desgaste fisiológico das células auditivas na fase do envelhecimento,  principalmente a partir dos 60 anos. Nessa fase existem vários componentes genéticos e fatores específicos de risco que podem acelerar ainda mais os desgastes das células nessa fase, tais como diabetes, pressão alta, tabagismo.

Jornal da 3ª Idade –  Os aparelhos auditivos são todos iguais e servem para todos os tipos de perda?

Fono Karina Sachetto – Não, os aparelhos não são todos iguais. Cada aparelho tem sua característica e tecnologia e cada um é indicado para determinado tipo de perda e grau. Os aparelhos auditivos possuem diversos modelos, tamanhos e valores, podendo variar de acordo com a perda auditiva e o estilo de vida de uma pessoa.