Quedas em idosos são frequentes mas não podemos considerar isso normal

Dra Flavia Doná é fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Neurofuncional na Neuromovimento Centro de Fisioterapia. Graduada em Fisioterapia pela UNESP. Doutora em Ciências pelo Departamento de Neurologia e Neurociências da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Realizou pós-doutoramento pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa (Portugal). Atua nas áreas de Biomecânica da Marcha, Equilíbrio Corporal, Distúrbios do Movimento, Doença de Parkinson, Envelhecimento, Fisioterapia Neurofuncional, Fisioterapia Vestibular e Reabilitação dos Distúrbios do Equilíbrio Corporal e é diretora da Clínica Neuromovimento.
Dra Flavia Doná é fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Neurofuncional.  Atua nas áreas de Biomecânica da Marcha, Equilíbrio Corporal, Distúrbios do Movimento, Doença de Parkinson, Envelhecimento, Fisioterapia Neurofuncional, Fisioterapia Vestibular e Reabilitação dos Distúrbios do Equilíbrio Corporal e é diretora na Neuromovimento Centro de Fisioterapia

A maioria dos idosos que são socorridos em hospitais por causa de quedas recebem alta no mesmo dia e muitas vezes a família trata o ocorrido com dois enganos: o primeiro de achar que a queda na terceira idade é um acontecimento normal e depois, que por ter alta imediata não foi tão grave assim.

As quedas podem provocar lesões graves em idosos que possuem as cartilagens e a massa óssea mais fragilizada e outras consequências que nem sempre aparecem de imediato.

A maioria dos acidentes acontece dentro de casa e fora dela são as calçadas as maiores vilãs das quedas em idosos. Por isso todas as pessoas precisam se esforçar para fazer mudanças  que tornem as casas mais seguras e assim preparar toda a família para um envelhecimento saudável.

O Jornal da 3a Idade conversou com a fisioterapeuta Flávia Doná, especialista em Fisioterapia Neurofuncional na Neuromovimento Centro de Fisioterapia que no dia 10 de agosto vai promover no bairro da Vila Mariana, na Zona Sul de São Paulo,  uma palestra exatamente sobre o assunto.

Jornal da 3ª Idade – A cada dia aumenta os índices de quedas em idosos. Cair na terceira idade é normal? As pessoas devem tratar disso como algo que vai acontecer na velhice ou é possível prevenir e evitar as quedas?

Dra. Flávia Doná – A queda é um sério problema de saúde pública no Brasil, cerca de 30% dos idosos com idade maior ou igual há 65 anos apresentam relato de episódio de queda anualmente. Esse percentual aumenta para 51% nos idosos com mais de 85 anos.

Esses números mostram que o risco de quedas aumenta com a idade, porém não podemos considerar que cair na terceira idade é normal. Há vários fatores de riscos ambientais e físicos que podem ser identificados e modificados com a participação ativa do idoso, da família e de profissionais especializados. A detecção precoce dos fatores de risco e as estratégias de prevenção de quedas podem permitir que o idoso ande com mais segurança e mantenha suas atividades de vida diária, profissionais e sociais.

Jornal da 3ª Idade – Quais são as principais causas de quedas nas pessoas idosas?

Dra. Flávia Doná – Estudos mostram que as quedas podem ser atribuídas às interações de riscos ambientais (causas extrínsecas) e de maior suscetibilidade individual (causas intrínsecas). Dentre as causas intrínsecas, podemos destacar: problemas de equilíbrio corporal, redução da pressão arterial, tontura/vertigem, comprometimento da visão, fraqueza muscular, comportamento sedentário, medo de cair, história prévia de fratura, problemas neurológicos (Ex.: doença de Parkinson, demência, Acidente Vascular Cerebral – AVC) entre outras causas. Já as causas extrínsecas incluem riscos ambientais identificáveis como as calçadas irregulares, falta de corrimão nas escadas, tapetes no domicílio, calçado inadequado e uso de medicamentos, como os sedativos, hipnóticos e ansiolíticos.

Jornal da 3ª Idade – Quais as consequências mais graves e as sequelas que podem ficar depois das quedas entre os mais velhos?

Dra. Flávia Doná – A consequência mais grave dos acidentes por quedas é a hospitalização prolongada por causa de fratura e trauma na cabeça que pode desencadear outras complicações de saúde e o óbito. Adicionalmente, as quedas podem causar problemas de mobilidade, declínio funcional, medo de cair novamente, insegurança para andar, restrições da atividade e participação social, comportamento sedentário, depressão e institucionalização.

A detecção precoce dos riscos e dos eventos de quedas pode reduzir a taxa de mortalidade e aumentar as chances de sobreviver ao evento e retornar às atividades de maneira independente e com boa qualidade de vida.

Jornal da 3ª Idade – Quais hábitos as pessoas precisam mudar para prevenir quedas?

Dra. Flávia Doná – Estudos reforçam que a prática regular de exercício físico como caminhada no parque, natação, musculação, dança e treino de equilíbrio corporal e do andar podem prevenir os acidentes por quedas. Além disso, o idoso deve realizar acompanhamento com profissionais da área da saúde para identificar os fatores de risco de quedas e orientá-lo quanto ao programa de exercício físico.

É preciso cuidado! Exercício realizado de maneira inadequada também pode causar dor, problemas musculares, quedas e aumento da pressão arterial.

É importante lembrar que simples cuidados e adaptações poderão reduzir o risco de quedas dentro da sua casa: – Elimine tudo que possa causar escorregões e tropeços, e instale suportes, corrimão e outros acessórios de segurança; Use sapatos com sola antiderrapante; – Não se esqueça de amarrar o cadarço do seu sapato; – Não ande só de meia; – Coloque uma lâmpada, um telefone e uma lanterna perto de sua cama; – Ande somente em lugares bem iluminados; Retire os obstáculos do caminho para andar; – Não suba em cadeiras, escadas ou bancos para alcançar os armários que estão no alto.

Jornal da 3ª Idade – A falta de alimentação adequada pode influir na propensão de quedas?

Dra. Flávia Doná – Sim. A alimentação é um fator importante na prevenção de quedas, pois a fragilidade e a fraqueza resultam da perda de massa e força muscular e da desnutrição. A nutrição também é um fator determinante na recuperação funcional do idoso que caiu e teve lesões. Especificamente, a perda de peso corporal e a deficiência de energia, proteína, vitaminas, minerais e água estão associados ao aumento do risco de quedas.

Palestra com a Dra. Flávia Doná
tema: Prevenção de Quedas
dia 10 de agosto de 2019 das 9 às 11 horas –
Grátis para todos os públicos mas com necessidade de inscrição prévia que pode ser feita ou pelo site ou pelo WhatsApp  11-9.4510-8536