Mostra Sentidos – A longevidade na Arte de 1 a 13 de outubro em várias unidades do SESC SP

De 1º até o dia 13 de outubro, em várias unidades do Sesc São Paulo, a  Mostra Sentidos – A longevidade na arte, para  comemorar o Dia Internacional do Idoso, estabelecido pela ONU – Organização das Nações Unidas e comemorado no dia 1º de outubro.

Se você não é agora, certamente será em alguns anos.
Hoje há mais de 700 milhões de idosos no mundo e, em 2050, serão mais de 2 bilhões de pessoas com mais de 60 anos. Seremos então 2 bilhões de corpos, desejos, dores, possibilidades e inquietações únicas. Explorar essas potencialidades, questionando os preconceitos e estereótipos da velhice são os objetivos da Mostra Sentidos – A longevidade na arte.

Ao retratar o tema do envelhecimento nos palcos dos teatros e nos espetáculos de dança, a mostra encontra na arte um instrumento transformador, a partir dos múltiplos sentidos que ela evoca em cada um.

Mais do que ações direcionadas apenas à saúde e ao bem-estar físico de idosas e idosos, como é comum nessa data, a Mostra Sentidos estimula um olhar sensível e socioeducativo para o envelhecimento. É um convite a pensarmos nas possibilidades de vida e de criação a partir das múltiplas velhices, retratadas na potência das artes cênicas.

Sobre a programação

A abertura, no dia 1º, conta com duas ações: na Praça da Sé, a intervenção Bira e Bedé, do grupo mineiro Pigmalião Escultura que Mexe; e no Centro de Pesquisa e Formação, o bate-papo Envelhecer na Arte, com Denise Namura e Michel Bugdahn, do grupo francês Compagnie à Fleur de Peau, e Henrique Sitchin, diretor e fundador da Cia Truks.

Nas unidades Avenida PaulistaPinheiros e Vila Mariana, a Cia Fleur de Peau realiza a conclusão do workshop Uma memória do amanhã ou o mundo na minha pele. Falando de memória e longevidade, a Mostra traz o espetáculo Imortais, com dramaturgia de Newton Moreno e direção de Inez Viana, no Sesc Pompeia e Sesc Santos.

O Sesc Catanduva24 de Maio e Ribeirão Preto estimulam uma reflexão sobre a doença de Alzheimer, presente no espetáculo A maç㸠de William Seven. Em Euforia, com o coreógrafo Michel Blois, um idoso e um cadeirante falam sobre amor e sexualidade nas unidades de AraraquaraSão CarlosSanto Amaro e Rio Preto.

Por sua vez, o teatro-documentário Los que vinieram antes, da Cia Laura Palmer, de Santiago do Chile, traz um encontro entre história e biografia nos palcos do Sesc CampinasSanto André e Belenzinho.