Jogos Pan-Americanos Master Rio 2020 poderão ter atletas centenários

Os jogos Pan-Americano Masters 2020 estão marcados para o Rio de Janeiro, no período de 4 a 13 de setembro, programado para reunir 24 esportes em 44 modalidades, promovido pela International Masters Games Association (IMGA).

Os organizadores esperam receber 40 mil pessoas, entre familiares e equipes dos 10 mil atletas participantes. As provas estão previstas para se realizarem nas regiões da Barra da Tijuca, Copacabana, Maracanã e Deodoro.

O evento tem como proposta agregar pessoas que foram atletas profissionais, pessoas que praticam esporte em diferentes categorias e motivar aquelas que ainda não são praticantes.

O Rio de Janeiro garantiu o direito de sediar a competição ao vencer, em abril de 2017, a disputa entre Cali, na Colômbia, e Cleveland, nos Estados Unidos. A assinatura do contrato com a IMGA foi realizada em outubro de 2018.

O Voleibol deve reunir mais de 400 equipes e alguns antigos astros internacionais da modalidade. A prova de corrida de rua deve receber mais de 10 atletas.

Para conhecer mais do evento, o Jornal da 3ª Idade conversou com o advogado Fábio Fleischhauer, diretor executivo do Master Rio 2020.

Jornal da 3a Idade – Quem está promovendo o Pan-Americano Masters 2020?

Dr. Fábio Fleischhauer – O Master Rio 2020 como estamos chamando é promovido pela International Masters Games Association (IMGA), uma entidade que é como o COI, para os jogos Master. Existem jogos Master na Ásia, Master na Europa, o Pan-Americano e o Mundial.

 Jornal da 3ª Idade – Quem pode participar desses jogos?

Dr. Fábio Fleischhauer – Qualquer pessoa que pratique esporte. Ele é Pan por ser disputado nas Américas, mas pessoas de qualquer parte do mundo podem se inscrever. Ele é um evento livre.

Jornal da 3ª Idade – Haverá algum critério de seleção ou classificação?

Dr. Fábio Fleischhauer – Não. O evento é livre e as divisões serão somente por categorias e modalidades.

Jornal da 3ª Idade – Nos último jogos europeus, realizados no ano passado em Turim, na  Itália, participaram atletas centenários. Será que teremos atletas tão mais velhos assim. E para eles existe algum critério especial. No Brasil cresce o movimento de Esportes Adaptados, mas eles têm regras diferenciadas. Como vocês vão lidar com os atletas mais velhos?

Dr. Fábio Fleischhauer – Não terão regras adaptadas. Eu sei desse trabalho porque conversando com o SESC foi explicado como a altura da rede é diferente e outras coisas. Os jogos estão abertos para todas as pessoas de todas as idades, mas as regras são as usadas pelas federações das modalidades. Nas competições internacionais participaram pessoas de mais de 90 anos correndo, nadando e jogando, para elas imagino que o cuidado deve ser entre o tempo entre uma competição e outra. Mas o regulamento que está sendo finalizado com a ajuda das federações e que estará sendo divulgado em breve, vai explicar tudo.