Deliberações da Conferência Municipal de São Paulo no Eixo II: Educação

Aqui somente as deliberações propostas para a Nacional e a Estadual, tiradas na V Conferência Municipal dos direitos da Pessoa Idosa de São Paulo, realizada no auditório do Palácio de Convenções do Anhembi, de 6 a 8 de agosto de 2019.

Eixo II: Educação: Assegurando Direitos e Emancipação Humana.

Âmbito Nacional:

1. Promover através da mídia social campanhas educativas para tomada da consciência dos direitos dos idosos;

2. Criar uma Central de Atenção à pessoa idosa com a opção eletrônica ou atendente, sobre a disponibilidade de serviços educativos para o idoso;

3. Ampliar os programas de inclusão digital dos idosos (horários adequados, endereços acessíveis e metodologia voltada ao público idoso), e incluir profissionais qualificados para trabalhar com pessoas idosas;

4. Incentivar a criação de programas educativos para idosos em horários adequados, utilizando uma linguagem fácil, clara e acessível com ilustrações e desenhos quando necessário;

5. Capacitar os profissionais que atuam em serviços voltados ou não para pessoas idosas, para um atendimento humanizado e acolhedor. Facilitar o acesso à especialização em gerontologia e geriatria dos profissionais que atuam com idosos;

6. Promover a educação para o envelhecimento desde a pré-escola até o curso superior com esclarecimento sobre a natureza do envelhecimento, incentivando o respeito e a valorização do idoso;

 7. Ampliar os Centros de Convivência Intergeracional com o objetivo de estimular a coeducação das gerações;

8. Criar e ampliar cursos profissionalizantes e de empreendedorismo para pessoas idosas, objetivando a geração de renda.

Âmbito Estadual:

1. Promover através das mídias sociais campanhas educativas para tomada da consciência dos direitos dos idosos;

2. Criar uma Central de Atenção à pessoa idosa com a opção eletrônica ou atendente, sobre a disponibilidade de serviços educativos para o idoso;

3. Ampliar os programas de inclusão digital dos idosos (horários adequados, endereços acessíveis e metodologia voltada ao público idoso), e incluir profissionais qualificados para trabalhar com pessoas idosas;

4. Incentivar a criação de programas educativos para idosos em horários adequados, utilizando uma linguagem fácil, clara e acessível com ilustrações e desenhos quando necessário;

5. Capacitar os profissionais que atuam em serviços voltados ou não para pessoas idosas, para um atendimento humanizado e acolhedor. Facilitar o acesso à especialização em gerontologia e geriatria dos profissionais que atuam com idosos;

6. Ampliar a rede física (escolas) do programa de alfabetização de jovens e adultos, aumentar o quadro de professores do programa e capacitá-los para essa missão. E incluir no conteúdo do Educação de Jovens e Adultos – EJA, temas relacionados ao desenvolvimento da cidadania;

7. Promover a educação para o envelhecimento desde a pré-escola até o curso superior com esclarecimento sobre a natureza do envelhecimento, incentivando o respeito e a valorização do idoso;

8. Ampliar os Centros de Convivência Intergeracional com o objetivo de estimular a coeducação das gerações;

9. Criar e ampliar cursos profissionalizantes e de empreendedorismo para pessoas idosas, objetivando a geração de renda.