Relatório Mundial Alzheimer 2020 trata do design relacionado à demência e o ambiente

Capa do volume 1 do Relatório Mundial de Alzheimer 2020, Alzheimer's Disease International.
Capa do volume 1 do Relatório Mundial de Alzheimer 2020, Alzheimer’s Disease International.

A federação internacional de associações e federações de Alzheimer, a ADI – Alzheimer’s Disease International- como faz todo ano às vésperas do Dia Mundial da Doença, publicou ontem seu relatório anual: World Alzheimer Report 2020: Design, Dignity, Dementia.

O lançamento oficial será por um seminário virtual amanhã, segunda-feira, 21 de setembro, às 13 horas, de Londres, onde fica a sede da ADI.  A apresentação será da CEO da ADI, Paola Barbarino, e contará com palestrantes especialistas importantes.

O trabalho traz a mais abrangente pesquisa do mundo sobre design relacionado à demência e ambiente construído.

Em dois volumes, incluindo 84 estudos de caso, o relatório analisa o design em ambientes domésticos, em Centros-Dia, em hospitais, em edifícios e espaços públicos. O relatório faz uma declaração forte de que o design para demência está 30 anos atrás do movimento das deficiências físicas.

Para marcar o 21 de setembro,  a ADI está pedindo que a demência seja mais abertamente reconhecida pelos governos em todo o mundo como uma deficiência, inclusive como parte dos planos nacionais para a demência, para ajudar a garantir que os benefícios terapêuticos do design de boa demência sejam sentidos por pessoas que vivem com demência em casa, em residências e creches, hospitais e edifícios e espaços públicos.

Estima-se que aproximadamente 152 milhões de pessoas viverão com demência em 2050, e já é a quinta causa de morte em todo o mundo, mas a maioria dos países está lamentavelmente atrasada em termos de tornar o ambiente construído acessível para aqueles que vivem com demência.

Reconhecer a demência como uma deficiência ajudará a garantir que avanços semelhantes sejam feitos para o design da demência, como foram feitos nos últimos 30 anos pelo movimento da deficiência física, como ver elevadores acessíveis, rampas, travessias de pedestres mais seguras e similares que se tornaram comuns em todo o mundo .

A executiva-chefe da ADI, Paola Barbarino, diz que o design de demência oferece uma oportunidade de adaptar ambientes construídos da mesma forma que o design para deficiência física levou a uma grande inovação.

“Precisamos aplicar diretrizes e princípios de design para pessoas que vivem com demência da mesma forma que as diretrizes de design são fornecidas para pessoas que vivem com deficiência física”, diz Barbarino. “Quando estava no meu primeiro emprego, lembro-me de pessoas dizendo que era impossível instalar elevadores e rampas acessíveis em edifícios antigos, mas olhe agora! Se podemos atender àqueles com deficiências visíveis, como podemos nos recusar a atender àqueles com deficiências invisíveis? Precisamos começar a trabalhar agora, com novas construções, e considerar essa nova maneira de pensar no estágio de planejamento, e também olhar para opções de retrocesso econômicas para edifícios mais antigos. ”

Barbarino diz que o design da demência não precisa ser um exercício caro e pode ser tão simples quanto considerar coisas como tapetes e decoração, a remoção de riscos, redução de estimulação, orientação clara – medidas que podem reduzir a ansiedade e agitação e melhorar as interações sociais.

“Tudo se resume a coisas simples. Lembro-me de que durante uma inspeção local de um local para uma conferência, as áreas pretas em tapetes coloridos podiam parecer buracos no chão, pessoas que vivem com demência podem andar em volta delas, pois podem ter medo de cair nelas ”, diz Barbarino. “Coisas como espelhos nas paredes podem ser um problema, pois as pessoas com demência podem ficar desorientadas ao ver seu próprio reflexo, especialmente à noite. O design é efetivamente uma intervenção não farmacológica, acrescentando ao número de coisas que podemos fazer – na ausência de cura – para tornar a vida daqueles que vivem com a doença mais fácil e gratificante.”

Baixe uma cópia completa do World Alzheimer Report 2020: Design, Dignity, Dementia da ADI .