Fórum de Biodireito, Bioética e Gerontologia do RJ debate direitos de quem mora na rua

O Fórum Permanente de Biodireito, Bioética e Gerontologia, Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ), realizará amanhã, dia 20 de abril, às 14h, via Zoom e YouTube, o webinar “Fraternidade e Direitos a quem mora nas ruas”.

No evento haverá tradução em libras. Serão concedidas horas de estágio pela OAB/RJ para estudantes de Direito participantes do evento. Para se inscrever grátis acesse

Os palestrantes serão os ativistas dos direitos humanos da população em situação de rua: padre Júlio Lancellotti, pedagogo e coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo; e Vânia Rosa, conselheira suplente do Conselho Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, que já viveu nas ruas.

A desembargadora Cristina Tereza Gaulia, diretora-geral da EMERJ, mestre em Direito pela Universidade Estácio de Sá e doutora em Direito pela Universidade, abrirá o encontro virtual.

O webinar integra o ciclo de palestras “Conversas com a juíza”, com a presidente do Fórum, Maria Aglaé Tedesco Vilardo, doutora em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva em Associação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense e Fiocruz, e mestre em Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional.

Os palestrantes

Em fevereiro deste ano, o padre, pedagogo, militante e ativista dos direitos humanos da população em situação de rua, Júlio Lancellotti, ganhou destaque na mídia após retirar, a marretadas, blocos de paralelepípedos instalados na parte inferior de viadutos na Zona Leste da Capital de São Paulo. Os blocos, colocados nos viadutos Dom Luciano Mendes de Almeida e Antônio de Paiva Monteiro, tinham como objetivo retirar a população de rua do local. Na época, via rede social, o padre publicou fotos de outros viadutos, não somente de São Paulo, que também possuíam pedras instaladas. Na época, chamou a atitude da prefeitura de “inacreditável”.

A militante e ativista dos direitos humanos da população em situação de rua Vânia Rosa é coordenadora do “Projeto Banho de Alegria”, conselheira suplente do Conselho Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro e idealizadora do “Projeto Juca” e “Coletivo Rua Solidária”. Vânia é uma respeitada integrante do movimento nacional de ajuda às pessoas em situação de rua, algo que aconteceu com ela, em 2009, quando perdeu o emprego por conta do vício em bebida e acabou abandonada pela família. Das ruas de São João de Meriti para uma liderança em movimentos, Vânia Rosa se tornou uma inspiração para pessoas que precisam de ajuda e acolhimento.