Ministro Paulo Guedes culpou aumento na expectativa de vida pela situação da Saúde

Entidades e profissionais que atuam na área do envelhecimento repudiaram a fala do Ministro Paulo Guedes, que na terça-feira da semana passada (27/4), durante a reunião do Conselho de Saúde Complementar, isentou as questões da pandemia dos problemas de atendimento no setor da Saúde.

Segundo ele, é o aumento da expectativa de vida dos brasileiros que está quebrando o Estado e tirando a capacidade de atendimento do setor público.

Todo mundo quer viver 100 anos, 120, 130 (anos). Não há capacidade de investimento para que o Estado consiga acompanhar a busca por atendimento médico crescente, disse o Ministro Guedes.

Um trabalho sobre o impacto da COVID-19 na sobrevida dos brasileiros,  feito por uma equipe de pesquisadores liderados pela demógrafa Márcia Castro, professora da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Harvard, aponta que foram perdidos dois anos da expectativa de vida.

A esperança de longevidade dos brasileiros retornou ao patamar de 2013, interrompendo um ciclo de crescimento da expectativa de vida no país, que partiu da média de 45,5 anos, em 1945, até atingir os estimados 76,7 anos, em 2020. 

Notas de repúdio

Associação Nacional dos Membros do Ministério Público de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Idosos – AMPID 

ABG- Associação Brasileira de Gerontologia

Comissão de Direito do Idoso da OABSJC/SP

Declarações de Paulo Guedes soam sinistras – texto na Folha de S.Paulo dos médicos Alexandre Kalache e Karla Giacomin