Pe Júlio Lancellotti, defensor das pessoas em situação de rua recebeu o Prêmio Zilda Arns 2021

Padre Júlio Lancelotti recebendo em São Paulo o Prêmio Zilda Arns 2021, das mãos do Deputado Federal Alexandre Padilha. Foto: divulgação
Padre Júlio Lancelotti recebendo em São Paulo o Prêmio Zilda Arns 2021, das mãos do Deputado Federal Alexandre Padilha. Foto: divulgação

O Padre Júlio Lancellotti, que é o vigário da Paróquia São Miguel Arcanjo, na capital paulista, reconhecido pelo seu trabalho em benefício da população em situação de rua e ativista de direitos humanos recebeu hoje o Prêmio Zilda Arns 2021.

O diploma de reconhecimento foi entregue pelo Deputado Federal Alexandre Padilha, do PT-SP, que foi o proponente do seu nome e que declarou sua emoção em ser portador da condecoração.

Hoje é um daqueles dias que vale por toda a jornada. Hoje, como deputado, me senti realizado por todas as lutas de nosso mandato. Vim até a paróquia São Miguel Arcanjo trazer pessoalmente o prêmio que indicamos e conquistamos na Câmara Federal para o Padre Júlio Lancellotti. O prêmio Zilda Arns traz o nome desta referência da luta por Direitos Humanos no ano em que seu irmão, Dom Paulo Evaristo Arns com Paulo Freire, fariam 100 anos. Aqueles que lutam pelo povo vivem para sempre, disse o deputado.

Prêmio Zilda Arns

O Prêmio Zilda Arns foi criado pela Câmara dos Deputados em 2017 para ser concedida anualmente para personalidades que se destacaram em ações em defesa da pessoa idosa. As indicações são sempre feitas até o dia 31 de maio de cada ano, pelos deputados federais.

Eleitos de 2021

Dra. Zilda Arns que dá nome ao Prêmio

Nascida em Forquilhinha, Santa Catarina, em 1934, a médica Zilda Arns se notabilizou pela atuação em causas humanitárias e sanitaristas. Arns foi vítima do terremoto do Haiti ocorrido em janeiro de 2010. Ela estava no País em missão humanitária para implantação de uma Pastoral da Criança na nação caribenha.

Fundadora da Pastoral da Criança e integrante do Conselho Nacional de Saúde, Arns participou da criação da Pastoral da Pessoa Idosa em 2004.