Museu da Pessoa faz Seminário Internacional ” Futuro da Memória” dias 17 e 18/11

O Museu da Pessoa, trabalho pioneiro em São Paulo, na coleta de depoimentos de pessoas nos bairros, vai realizar nas próximas quarta e quinta-feira , dias 17 e 18/11, o Seminário Internacional Futuro da Memória, abordando questões relacionadas à memória ontem, hoje e amanhã.

O convidado especial é o escritor Orhan Pamuk, Prêmio Nobel de Literatura de 2006, que falará às 12 horas, ao vivo, pelo Youtube (essa palestra não ficará disponível depois). É dele a frase que diz “O futuro dos museus está em nossas casas”. Seu Museu da Inocência é uma proposta original dentro do campo da conservação e representação histórica. 

O evento terá palestras, mesas de debate e oficinas temáticas, convidando membros de instituições públicas, privadas, organizações do terceiro setor, pesquisadores e público em geral para participarem ativamente da construção do conhecimento nos campos de memória, cultura, tecnologia social e acervos virtuais.

 O Museu da Pessoa vai apresentar a implementação de um vasto programa de inovação, fortalecimento e consolidação do seu acervo, graças à parceria firmada entre a instituição e o BNDES. 

  As mesas e oficinas trazem temas fundamentais ao debate sobre memória no século XXI como inovação social, desenvolvimento local, cultura e economia criativa, acervos digitais, voluntariado e metodologia de entrevistas.  

Com as mudanças e avanços acontecendo cada vez mais rápido, o evento procura apontar novos caminhos para o resgate das experiências em âmbito público e privado.

 O Seminário é uma realização do Museu da Pessoa e BNDES, com o apoio do Itaú Cultural e parceria institucional do ICOM -International Council of Museums-  e Editora Companhia das Letras.

Programação completa

O Museu da Pessoa

O Museu da Pessoa é um museu virtual e colaborativo de histórias de vida aberto à participação de qualquer indivíduo. Nele é possível contar a história pessoal, organizar suas próprias coleções e conhecer histórias de pessoas de todas idades, raças, credos, profissões do Brasil. 

Fundado em 1991, tem um trabalho de captar, contar, escutar, conhecer e preservar histórias de vida com a proposta de apresentar uma nova maneira das pessoas enxergarem o mundo.

Com a transição do registro em mídias analógicas (fitas VHS, MiniDV, DVCAM, Hi8, etc) para formato digital, a gestão e o armazenamento desse material do seu material também mudou. Essa transição também tem um trabalho pioneiro que será contado numa das oficinas do seminário.