Geriatra Paulo Camiz fala dos cuidados necessários para Prevenção de Quedas

Paulo Camiz, geriatra formado pela FMUSP, Faz parte do corpo clínico dos Hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, além de atuação de rotina em seu consultório. Diretor clínico instituição de longa permanência pra idosos Hanami Sênior. Mestre de Ving Tsun Kung Fu (arte marcial chinesa) que pratica desde 1995. Foto: divulgação
Paulo Camiz, geriatra formado pela FMUSP, Faz parte do corpo clínico dos Hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, além de atuação de rotina em seu consultório. Diretor clínico instituição de longa permanência pra idosos Hanami Sênior. Mestre de Ving Tsun Kung Fu (arte marcial chinesa) que pratica desde 1995. Foto: divulgação

Na próxima segunda-feira, dia 24 de junho é lembrado o Dia Mundial da Prevenção de Quedas de Idosos. A data foi criada pela ONG britânica Help the Aged International, e no Brasil é celebrada desde 2008, com o intuito de conscientizar a população para os cuidados com as pessoas da terceira idade.

O médico geriatra, professor colaborador de Clínica Geral no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em São Paulo, Paulo Camiz, alerta sobre a importância dos cuidados preventivos com a saúde, principalmente aqueles que podem evitar as quedas, que se tornam mais comuns as pessoas mais velhas.

Manter hábitos saudáveis é um fator fundamental para envelhecer de forma tranquila, porém, após um episódio de queda a pessoa pode ficar mais fragilizada, e a tendência é que ela diminua o ritmo ou até mesmo deixe de fazer atividades simples, como andar, com medo de cair. O suporte psicológico nesse momento é fundamental para recuperar a confiança e a autoestima, afirma o Dr. Camiz.

O relatório Global da OMS sobre prevenção de quedas para a pessoa idosa relata que a frequência das quedas em pessoas acima de 65 anos é de aproximadamente 28% a 35%, aumentando uma proporção para 32% a 42% para a faixa etária com mais de 70 anos.  A cada 15 segundos, um idoso é atendido em um serviço de emergência em decorrência de uma queda, e a cada dez idosos que procuram pelo serviço médico, três precisam ser internados. Segundo dados do Ministério da Saúde, dentre as complicações mais graves estão fraturas, principalmente de fêmur, e traumatismo craniano. Estudos mostram, ainda, que 30% dos idosos sofrem quedas e 75% dessas quedas acontecem dentro das próprias residências.

A atividade física ideal tem que preparar as pessoas em geral para as necessidades cotidianas. Paras as pessoas idosas é preciso atividades curtas como caminhar, subir e descer escadas, sair da cama, tomar banho e outras. Por isso, a musculação associada a exercícios de equilíbrio, ajudam a prevenir quedas. A musculação deve seguir uma ordem crescente de prioridade, primeiro fortalecer as pernas, para carregar o peso do próprio corpo, depois fortalecer as costas para manter uma boa postura e o abdômen para ajudar as costas, explicou o médico.

Dentro de casa, algumas mudanças simples podem fazer toda a diferença, como manter a casa bem iluminada, instalar interruptores em locais de fácil acesso para não precisar caminhar no escuro para acender a luz; tirar tapetes do caminho; manter os móveis numa disposição que favoreça a livre circulação; no banheiro usar tapetes antiderrapantes e barras para maior segurança e apoio; deixar todos os objetos de uso habitual em locais de fácil acesso para não precisar subir ou descer escadas para alcançá-los.

Procurar o médico somente quando surge algum desconforto, acidente ou doença pode ser um problema no futuro, O acompanhamento médico regular também faz parte do trabalho preventivo e é um dos pilares para um envelhecimento saudável, completou o Dr. Camiz.