Morreu hoje Maria Antônia Crispim, 95, uma das criadoras dos Fóruns de Idosos de S.Paulo

Maria Antônia Crispim, 90 anos. Foto: Jornal da 3a Idade
Maria Antônia Crispim, na sua festa de 90 anos, em 2016. Foto: Jornal da 3a Idade

É com pesar que o Jornal da 3ª Idade noticia o falecimento de Maria Antônia Crispim, aos 95 anos, infelizmente mais uma vítima da COVID-19.

A Toninha, a Crispim, a Maria Antônia, eram algumas das maneiras como era chamada dependendo do grupo.

Natural de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, ela viveu na capital por mais de seis décadas. Viúva, foi mãe de cinco filhos que lhe deram dez netos, quinze bisnetos e dois tataranetos.

Quase tudo que existe de movimento de idosos na Capital, em São Paulo, criado no começo dos anos 90, teve sua forte participação. Como jogadora de voleibol ajudou a criar o JORI- Jogos Regionais dos Idosos e viajou durante anos por todo o Estado. Foi uma das fundadoras do Fórum do Cidadão Idoso do Butantã, do Conselho de Saúde local, do Conselho Participativo da Zona Oeste e tantos outros. Foi umas pessoas que mais “brigaram” para a manutenção do GCMI- Grande Conselho Municipal do Idoso não fosse extinto numa época em que ele perigava de acabar. Quando todos achavam que estava “pendurando as chuteiras” ela se candidatou a Miss Terceira Idade e ganhou.

Foi uma das incentivadoras da criação do Jornal da 3ª Idade e sempre defendia a necessidade de um canal específico sobre a atuação dos grupos de terceira idade e fóruns de idosos.

Até 2015 esteve presente em reuniões, se afastando aos poucos devido às sequelas de uma queda e depois da fragilidade de saúde.

Ela todo ano fazia uma grande festa de aniversário em agosto e reunia toda a família e alguns “amigos queridos do movimento”. Ficou muito triste quando não conseguiu fazer em 2020. Até ser internada estava lúcida.

Devido as restrições da pandemia, nem a família poderá acompanhá-la para uma despedida final.