Governo de SP entregou em São Roque as primeiras unidades do Programa Vida Longa

Unidades do Programa Vida Longa inauguradas na cidade de São Roque, pelo Governo do Estado de SP. Foto: Secom/ PMSR
Unidades do Programa Vida Longa inauguradas na cidade de São Roque, pelo Governo do Estado de SP. Foto: Secom/ PMSR

O programa de moradias gratuitas para idosos Vida Longa, que o Governo do Estado de São Paulo lançou no Dia do Idoso de 2019, entregou na última quinta-feira, 24/6, às primeiras 20 unidades, na cidade de São Roque.

Esse primeiro empreendimento foi organizado no formato de um pequeno condomínio, na Rua São Paulo, no Centro. As casas contam com cozinha, sala de estar e dormitório conjugado, banheiro e área de serviço e foi entregue com todos os itens essenciais de cama, mesa e banho. Para estimular a convivência e interação entre os contemplados, o residencial também oferece espaços de convivência e lazer, refeitório, jardim, churrasqueira e uma horta, além de locais para assistir TV, praticar atividades físicas e ter acesso a jogos.

Para ser usuária a pessoa idosa tem que ser independente e ganhar até dois salários mínimos. Será dada a preferência para pessoas que tenham seus vínculos familiares fragilizados. A indicação de quem vai ocupar a moradia é do serviço social da Prefeitura.

O Vida Longa é uma reformulação do antigo programa Vila Dignidade, que chegou a entregar moradias em 18 municípios.

Para saber mais sobre como ele está funcionando e sobre as futuras inaugurações, o Jornal da 3ª Idade conversou com a coordenadora do programa Vida Longa, a socióloga, Elaine Cristina Silva de Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social.

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social. Foto: divulgação

Jornal da 3ª Idade – As casas entregues na cidade de São Roque fazem parte daquelas 152 unidades prometidas, no lançamento do Vila Longa, em 2019? Foram anunciadas a construção de 50 conjuntos.

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social – Sim. A pandemia causou impactos significativos em várias ações do governo, entretanto, as entregas que tinham sido anunciadas em 2019 serão efetivadas até o final de 2021.

Jornal da 3ª Idade – Quantos empreendimentos estão em obra atualmente?

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social – Estão sendo construídos conjuntos em Barretos, em Bauru, em Bragança Paulista e em São José do Rio Pardo. Eles serão entregues até o final do ano de 2021.

Jornal da 3ª Idade – O investimento previsto pelo governador era de 18, 7 milhões. Esse montante está mantido?

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social – Sim, o investimento será mantido. Cada convênio tem um valor específico, em razão das características do terreno e do número de casas a ser construído.  Somente quando o contrato é assinado é que os valores são conhecidos. A Secretaria de Habitação entra com os recursos, o CDHU executa a obra, a SEDS executa as diretrizes da gestão social e a Prefeitura local é quem faz a gestão.

Jornal da 3ª Idade – Qual a diferença do Vila Dignidade para o Vida Longa?

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social – Diferente do programa anterior, não é só uma entrega de moradia, ele vai além. Existe uma inovação na reformulação do programa que é a gestão social dele. O programa é destinado para pessoas idosas de ambos os sexos, que tenham autonomia e renda de até dois salários mínimos, vínculos fragilizados e preferencialmente sós. Cada unidade pode acolher até dois idosos. A avaliação de quem será o morador será feita pela equipe técnica da assistência social da Prefeitura local. Os moradores terão um acompanhamento regular, por uma equipe técnica especializada que é composta por: um coordenador, um psicólogo e um assistente social que farão visitas regulares e que vão trabalhar os vínculos do grupo. É um trabalho social com os idosos que não existia antes, uma preocupação não só com a moradia, mas com um conjunto de relações. A grande inovação do programa Vida Longa é a oferta do Serviço de Acolhimento em República para idosos. Antes as Prefeituras eram mais livres para a gestão, cada um a seu modo. Hoje, com o Vida Longa, existe uma orientação padronizada, um protocolo, que será seguido em todos os empreendimentos, que vai alinhar o programa ao SUAS- Sistema Único de Assistência Social.

Jornal da 3ª Idade – Se uma pessoa idosa se tornar dependente e não conseguir manter seu autocuidado, como fica a situação dela?

Elaine Moura, Especialista em Políticas para o Envelhecimento da SEDS- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social – Está previsto no programa que a Prefeitura local se responsabilize pelo encaminhamento para uma ILPI.