Zally Pinto Vasconcellos Queiroz, 85, recebeu homenagem da USP, no encerramento do ano

Profª Zally Pinto Vasconcellos Queiroz, uma das pioneiras da Gerontologia no Brasil foi homenageada no encerramento do curso da EACH-USP.
Profª Zally Pinto Vasconcellos Queiroz, uma das pioneiras da Gerontologia no Brasil foi homenageada no encerramento do curso da EACH-USP. Foto: reprodução da tela da live.

A Profª Zally Pinto Vasconcellos Queiroz, uma das pioneiras da Gerontologia no Brasil, atualmente com 85 anos, foi a homenageada no evento virtual da EACH-USP, na última sexta-feira, 17/12. Coordenado pela professora Marisa Accyoli, da cadeira de Políticas Públicas para Idosos, a transmissão marcou o encerramento do ano da turma que iniciou o Bacharelado de Gerontologia, em 2021.

Zally, como é tratada por todos, está morando há um ano numa ILPI (Instituições de Longa Permanência) e no seu depoimento aos jovens alunos e professores que acompanharam a live ela, mais vez saiu na frente, ao colocar de maneira muito honesta, que está sentindo a diferença do discurso e a vivência de morar num residencial para idosos.

Na minha experiência profissional eu não tinha tido a vivência que estou tendo agora. Um ano longe da família, longe dos amigos, longe das fontes de estudo, mas podendo observar a realidade do dia a dia de um abrigo de idosos. Acho que faltava isso na minha vida. Embora às vezes tenha me ressentindo, sinto que realmente isso faltava na minha formação profissional. Espero poder levar uma contribuição para o debate de como melhorar as residências de idosos. O discurso é bem mais fácil que a vivência do dia a dia, disse a Profª Zally Queiroz.

Professoras Marisa Acchioly e Zally Queiroz, na 15ª Conferência Estadual do Idoso de SP, em Águas de Lindoia, em novembro de 2019. Foto:  jornal3idade

Ela, que foi uma das primeiras estudiosas no Brasil na questão da violência contra as pessoas idosas, levantou, durante o encontro virtual, a necessidade dos estudiosos passarem a debater o aprimoramento das relações entre a família e os gestores das ILPI. Afirma que está sentindo o quanto os idosos perdem sua autonomia como cidadão, devido à falta de conhecimento dos gestores das instituições.

Hoje as ILPI estão recebendo muitas pessoas que continuam lúcidas e ainda podem contribuir para melhorar a própria gestão local, pelos seus conhecimentos. No entanto, falta uma visão clara do quanto rico pode ser a troca entre a instituição, a família e o idoso morador, completou a professora.

Zally fez uma retrospectiva de como nasceu os conselhos, a partir de comissões municipais criadas para começar a estabelecer programas específicos para idosos. Ressaltou a importância dos projetos governamentais manterem as características regionais. Frisou o quanto é fundamental não perder a contribuição que os mais velhos podem continuar a oferecer a esses programas.

Quando os programas para idosos nasceram tinham um caráter lúdico, porque eram a forma que tínhamos de atrair os idosos. Por isso, a maior parte dos programas sociais ainda tem um caráter recreativo. No entanto, esses idosos têm o que contribuir. “Qualidade de Vida na Velhice” deve ser o lema de todos os trabalhos, falou.

A EACH-USP irá disponibilizar em breve o vídeo para quem quiser assistir.  Nele vários professores e lideranças homenagearam a Profª Zally Queiroz.

Nesta matéria, sobre outra homenagem feita para a Profª Zally, uma relação de parte das suas atividades na vida.