Tomas Freund se aposenta da Secretaria da Justiça e deixa a presidência do CEI-SP

Tomas Freund, da Secretaria de Justiça, é o novo vice-presidente do Conselho Estadual do Idoso de SP.
Na mesa diretora da XV Conferência Estadual de SP, em 2019, Tomas Freund, como vice-presidente, estava ao lado da Profª Vera Fritz (de pé) presidente do CEI-SP, na condução dos trabalhos. Foto: jornal3idade

Desde o dia 1º de abril, o  administrador público Tomas Lúcio Freund deixou de ser o presidente do CEI-SP-Conselho Estadual do Idoso de São Paulo.

Ele exercia o cargo como conselheiro governamental, representante da Secretaria Estadual de Justiça e como se aposentou não poderá mais estar na função, já que para tal é preciso estar na ativa como servidor público.

Interinamente a presidência está ocupada pelo vice-presidente, Adílson Lima da Silva, representante da sociedade civil, pela Macrorregião I Campinas, Mogiana, Piracicaba, Sorocaba. Na segunda-feira, 25 de abril, haverá uma reunião  plenária ordinária do CEI, quando o nome da pessoa que seguirá na presidência será definido.

Tomas Freund, como funcionário da Secretaria de Justiça, foi vice-presidente e presidente do Conselho Estadual do Idoso de SP.

Tomás Freund em conversa com o Jornal da 3ª Idade confessou ter sido “mordido pela mosca azul da área do envelhecimento” e como muitos que nunca tinham trabalhado antes com a questão dos idosos, pretende continuar a contribuir com o seguimento. A seguir o seu texto sobre a saída do cargo.

Na reunião plenária do dia 28 de março comuniquei aos Conselheiros que estou me aposentando e me exonerando de minhas atividades na Secretaria da Justiça e consequentemente do Conselho Estadual do Idoso. Depois de 46 anos de atividades na gestão pública e em organizações sociais, chegou a hora de parar um pouco.

Nos últimos anos na Secretaria da Justiça, me dediquei quase exclusivamente na defesa dos Direitos Humanos da Liberdade Religiosa e participação social. Nesse sentido que fui indicado para representar a Secretaria em alguns conselhos, especialmente no Conselho Estadual do Idoso,  onde com muito orgulho fui levado a ser vice-presidente e agora presidente.

Não tinha trabalhado antes especificamente com  causa da pessoa idosa, mas acabei envolvido e motivado pelo tema e uma boa parte do meu tempo foi dedicado a isso. Acredito que esta é uma dessas causas que a gente se envolve e depois não larga mais. Deixo o Conselho, que certamente vai me fazer muita falta, mas continuarei de alguma maneira nesta causa.

Infelizmente, toda minha gestão acabou sendo virtual, e muitos dos Conselheiros não conheci pessoalmente, mas tenho certeza que apesar de ser virtual, com todas as limitações, pessoais e tecnológicas, fizemos bastante.

Penso que não precisamos enumerar aqui as realizações, mas tenho consciência tranquila que avançamos e que o trabalho realizado defendeu os direitos e representamos bem  a pessoa idosa do Estado.

Nesses dias que estamos vivendo, não posso deixar de me referir aos acontecimentos da Europa. Estamos assistindo novamente massacres, mortes e refugiados em situações trágicas, e o mundo praticamente se calando. 

Histórias que ouvia em casa desde a minha infância da saída de meus pais e avós da Europa e chegando aqui como refugiados continuam se repetindo.

O mundo não aprendeu nada e continua se calando frente às atrocidades e abusos conduzidos por líderes políticos, e grupos racistas e supremacistas. É uma situação extrema e mantidas as proporções, vemos  abusos, corrupção, e atitudes discriminatórias aqui no Brasil também.

Isso só reforça a minha convicção da necessidade de uma mobilização permanente da sociedade civil em torno da defesa dos direitos humanos, e do controle da ação governamental  e estou certo de que os Conselhos de cidadania e direitos como esse são um dos caminhos para isso.

Nesse sentido acredito que devemos continuar  um grande esforço para ampliar o relacionamento com os Conselhos Municipais e  a participação nas próximas eleições deste Conselho. Um  Conselho forte, ativo e presente depende disto. 

Na mesma linha, acho importante o Conselho produzir um documento com exigências, propostas e pauta de reivindicações para apresentar aos candidatos que participarão nas próximas eleições  para o legislativo e executivo. Apresentar um documento desses, é o Conselho exercendo seu papel.

Agradeço  aos conselheiros, ativistas, militantes, jornalistas e a todos que com sugestões, críticas, apoio, ou simplesmente com  a presença caminhou conosco neste período. Nossos sucessos e conquistas são resultado do coletivo, escreveu Tomas Freund.

Leia também:

O novo presidente do Conselho Estadual do Idoso de São Paulo é Tomas Freund de 2020
Tomas Freund, da Secretaria Estadual da Justiça, é o novo vice-presidente do CEI-SP de 2019