Identificar plantas alimentícias não convencionais no SESC Belenzinho,SP

Guilherme Reis Ranieri e Neide Rigo. Foto: divulgação
Guilherme Reis Ranieri  e Neide Rigo. Foto: divulgação
Guilherme Reis Ranieri e Neide Rigo. Foto: divulgação

Existe uma grande lista de plantas que estão sendo pesquisadas em vários países como alternativa para acabar com a fome e que no Brasil estão sendo perdidas nos matos, tanto urbanos como nas grandes cidades. Algumas já eram utilizadas no passado, por nossas avós, mas com o passar do tempo foram esquecidas.

Como identifica-las e quais são as suas propriedades é o tema da atividade que o SESC Belenzinho, na Zona Leste de São Paulo, oferece dia 26 de setembro das 10 às 13 horas, como resgate dessas hortaliças, legumes e frutos, apresentando seu cultivo e consumo e mostrando como inseri-los no nosso dia-a-dia.

Essa oficina terá a coordenação de dois profissionais conhecedores do assunto.

Guilherme Reis Ranieri gestor ambiental, cozinheiro, pesquisador de plantas alimentícias não-convencionais e agricultura urbana. Ministra oficinas, palestras e caminhadas educativas sobre cultivo e identificação de PANC’s, ecogastronomia; agricultura urbana entre outros. Mantém o blog Matos de Comer (www.matosdecomer.blogspot.com.br) sobre plantas alimentícias não-convencionais, plantas ruderais e agricultura urbana.

Neide Rigo é nutricionista formada pela USP e sempre foi interessada por ingredientes pouco conhecidos, esquecidos ou desvalorizados. Pesquisa não só esses produtos, mas também o cultivo e a maneira como podem ser preparados.

Já ministrou várias oficinas em eventos como “Paladar” e “Terra Madre” – Turim/Itália; bem como de projetos no Senegal, em Acrelândia e, mais recentemente, de oficinas para merendeiras no sertão da Bahia (COOPERCUC). Suas descobertas são compartilhadas em seu blog, o Come-se (come-se.blogspot.com) e também em sua coluna Nhac, no caderno Paladar do jornal O Estado de São Paulo.